Caixa Preta reúne discos de Itamar Assumpção, com dois inéditos
Escrito por discolado!
Qui, 04 de Novembro de 2010 22:04
PDF Imprimir E-mail

Para dar ao público a oportunidade de apreciar o trabalho do músico Itamar Assumpção, o Selo SESC apresenta Caixa Preta, box com toda a discografia do artista, além de dois álbuns inéditos.


itamar assumpcao

Desde a morte do músico Itamar Assumpção, em 2003, sua família vem articulando, orientando, organizando e disponibilizando seu legado musical, com base principalmente na linha de pensamento do artista, que era particular e sem amarras.

Algumas ações foram fundamentais para que esse processo se consolidasse, dentre as quais a organização do songbook Pretobrás em 2006. Nesse mesmo ano, tiveram início as negociações com o Selo SESC, para que fosse produzida a Caixa Preta. 

A remasterização e a elaboração dos discos inéditos que fazem parte do projeto concretizaram-se a partir de diferentes mídias: fitas masters com as mixagens originais, LPs novos originais, fitas DAT com as mixagens originais e arquivos digitais de estúdio dos álbuns mais recentes.

No disco Às próprias Custas S.A., foi incluída uma versão da música de Tim Maia 'Não vou ficar', que havia ficado de fora do LP original por falta de espaço. As novas tecnologias possibilitaram que algumas músicas de vários dos discos tivessem o registro inicial mantido sem cortes ou fade outs - técnica comum na feitura de LPs.

A Caixa Preta abrange os álbuns: Beleléu Leléu Eu - 1980; Às próprias custas S.A. - 1982;Sampa midnight - 1983; Intercontinental - quem diria? Era só o que faltava - 1988; Bicho de sete cabeças Vol I - 1993; Bicho de sete cabeças Vol II - 1993; Bicho de sete cabeças Vol III - 1993; Ataulfo Alves por Itamar Assumpção pra sempre agora - 1996; Pretobrás - Porque que eu não pensei nisso antes? - 1998; Vasconcelos e Assumpção - Isso vai dar repercussão - 2004; Pretobrás II - Maldito Vírgula - 2010; e Pretobrás III - Devia ser proibido- 2010.

Os discos inéditos - Pretobrás II e Pretobrás III - produzidos respectivamente por Beto Villares e Paulinho Lepetit, encerram a trilogia imaginada por Itamar e iniciada em 1998, comPretobrás - Por que que eu não pensei nisso antes?

Compositor compulsivo e artista disposto à labuta, Itamar deixou composições inéditas registradas em voz e violão, em gravações de estúdio e caseiras. Coube à sua família o trabalho de reunir, ouvir e filtrar esse material. No entanto, a escolha final dos repertórios foi feita em cojunto com os produtores musicais, que criaram os arranjos e finalizaram as gravações com os músicos e intérpretes participantes. 

"Que a disponibilidade ao novo seja a via de acesso aos ouvintes desta Caixa. Que se emocionem novamente ou pela primeira vez, ao entenderem que este é um trabalho contemporâneo, apesar de artesanal, no que abarca vários executores e suas diferentes formas de linguagem artística e, ainda assim - e tão mais por isto - continua sendo livre", comenta Serena Assumpção, uma das filhas de Itamar. 

O encarte da coleção traz, além de ilustrações de Antonio Peticov, comentários sobre as obras de Itamar, feitos por diversas personalidades do universo das artes. Textos de Patrícia Palumbo, Arnaldo Antunes, Carlos Rennó, Paulo Betti, Zélia Duncan, Théo Werneck e Elke Maravilha, dentre outros, são combinados com fotografias e desenhos abstratos.

Fonte: Portal SESCSP

Comentários (0)Add Comment

Escreva seu comentário
diminuir aumentar

security code
Escreva os caracteres mostrados


busy
Última atualização em Ter, 12 de Julho de 2011 19:09